segunda-feira, 11 de maio de 2015

PACIÊNCIA E PERFEIÇÃO (por Dom Paulo Garcia).

PACIÊNCIA E PERFEIÇÃO (por Dom Paulo Garcia).
Escrevendo aos cristãos que estavam sofrendo por sua fé, Tiago disse: "portanto, irmãos, sede pacientes até a vinda do Senhor. Eis que o lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência, até que receba as primeiras e as últimas chuvas. Sede vós também pacientes; fortalecei os vossos corações por que a vinda do Senhor está próxima". (Tg 5:7-8).
Paciência não é simples "cerrar os punhos", suportando pacientemente uma situação particular. Paciência é uma atitude de expectativa. O fazendeiro podia olhar para o terreno aparentemente infértil com paciência, por que ele tinha certeza de que haveria resultados de seu esforço físico. Ele podia ter paciência em seu trabalho, porque haveria resultados férteis dele.
É assim, também, no mundo espiritual. Deus pode produzir qualidades valiosas em nossas vidas, através das feridas e dos sofrimentos que experimentamos. Podemos e devemos sofrer com paciência, porque nosso sofrimento trará uma colheita espiritual.
E podemos, ainda, sofrer durante esta vida pacientemente, por que sabemos que, no perfeito tempo de Deus, seu filho voltará como a grande recompensa para aqueles que esperaram e creram.
"Melhor é o longânimo do que o valente, e o que governa o espírito do que aquele que toma uma cidade." (Pv 16,32).
Dom Paulo Garcia é o Arcebispo e Primaz no Brasil da Igreja Episcopal Carismática

"O QUE ME CONSOLA NA MINHA ANGÚSTIA É ISSO: QUE A TUA PALAVRA ME VIVIFICA"!!! (Salmos 119:50) (por Dom Alexandre Ximenes)

"O QUE ME CONSOLA NA MINHA ANGÚSTIA É ISSO: QUE A TUA PALAVRA ME VIVIFICA"!!! (Salmos 119:50) (por Dom Alexandre Ximenes)
A angústia não avisa. Trata-se daquelas coisas que nos pegam no contrapé! Somos tomados pela sensação de impotência e de estarmos num beco sem saída! Um sufoco de alma é vivido! Fraqueza e impotência estacionam na alma! Mesmo os mais abençoados vivem momentos assim!! Jesus de Nazaré, no Jardim do Getsêmani, disse:"A minha alma está angustiada"!
Mas, há um remédio absolutamente infalível, e Davi nos mostra quando diz:"A Tua Palavra me vivifica"!! A Bíblia não é só um livro! Alguém já disse que "por trás de toda palavra há um espírito"! A Palavra de Deus, a Bíblia, é a ESPADA DO ESPÍRITO SANTO! Ela destrói a angústia, vivifica a alma, renova a mente e dá vida ao corpo!!
Salomão disse:"A Tua Palavra é saúde para a alma e medicina para o corpo"!!! Antes de buscar outras terapias, encharque sua alma com a Palavra de Deus e VIVA ABUNDANTEMENTE!!
Carinhoso abraço de uma boa noite!
+D. A. Ximenes.
Dom Alexandre Ximenes é Bispo Diocesano da Igreja Episcopal Carismática

CÂNCER: DEPOIS DO INVERNO VEM A PRIMAVERA! (por Pr. Alexsandro Benjamim)

CÂNCER: DEPOIS DO INVERNO VEM A PRIMAVERA! (por Pr. Alexsandro Benjamim)
Certa feita, assistindo o Fantástico, vi uma senhora que enfrentou o câncer e perdeu os cabelos dizer: "Não tenham medo, os cabelos caem, mas depois eles voltam de novo!"
O certo é que a odisseia daqueles que enfrentam o câncer é uma luta ímpar! Primeiro a noticia, ali as possibilidades nos assustam! O que vai ser de meus dias, benigno ou maligno, e os que eu amo?
Aí vem o enfrentamento. As noticias aos familiares, as dores, os tratamentos, as consequências dele.O medo da morte, de ter partes do corpo mutiladas. Os medicamentos são agressivos e deixam marcas externas, fragilizando a caminhada de quem está passando pela doença.
Vem então a queda de cabelo e ele, principalmente na mulher, é um fator de agressão profundo, pois mexe com o estético, com a alma, com a identidade feminina. Num primeiro momento deve ser assustador, pois parece anunciar o fracasso, a fragilidade, perder o que é meu, o que me modela, o que traz um visual e sentido para mim, mas depois percebe-se que há maneira de enfrentarmos aquilo. Que não somos o estético, que há um coração que pulsa, uma alma que fala, uma vida que sonha e tem esperança, mesmo em meio a luta.
E aí está a grande lição.
Uma amiga me relatou que em meio a fase mais critica ela acordava, e tendo Deus consigo, entendia que aquele seria mais um Lindo dia. Não perder a esperança, não deixar de sonhar, não esquecer que somos mais que nosso cabelo, nossa estética, nosso corpo, é primordial. Quem passa por um câncer sabendo quem é o seu Deus e como ele pode agir em meio à luta passa mais forte, sabendo que em tudo nunca estará só!
Como é edificante ver como uma irmã dileta enfrenta junto com Deus a sua luta. Não se pode temer, mesmo na fragilidade de alguns dias, porém sempre entender que em meio ao cansaço dos dias cinzentos Ele está conosco!
Não tenha medo de perder os cabelos, no fim ele sempre voltam. Ressurreição, renovação. Nasce de novo os cabelos! Celebrar a vitória da vida, o dom de Deus, o milagre do Altíssimo sobre nós. Não desistir nunca! Saber quem em meio a essa travessia Jesus está no barco! Não tenha medo!
Qual seu diagnostico? Em primeiro lugar saiba que você é muito mais que seu corpo, cabelo, membros, você é um filho(a) do Altíssimo e ele cuida de você e sabe como vai te ajudar nesse processo.
Segundo. Em meio a essa odisseia, nunca esqueça: você não está sozinho(a). Há o divino Espírito Santo, amigos, familiares.
Parabéns aos esposos daquelas, vocês são exemplo para todos nós!
Por fim: todo inverno passa, vai chegar a primavera! Lindos frutos virão, não tenham medo!
Rev. Alexsandro Benjamim
O Pastor Alexsandro Benjamim é Reitor da Paróquia Monte Moriá (Aldeia-Camaragibe/PE), da Igreja Episcopal Carismática.

QUEM VEM LÁ? (por Pastor Ebenézer Paz)

QUEM VEM LÁ? (por Pastor Ebenézer Paz)
Advento significa "vinda", e não "espera" como muitos acreditam.
Quem vem lá? Costumava-se gritar para estrangeiros que se aproximavam dos portões e porteiras de propriedades. O forasteiro, então, tinha a chance de identificar-se. Se fosse conhecido ou se apresentasse como vindo nome de alguém conhecido, poderia até entrar! Porém, se percebido como estranho ou hostil, poderia até ser morto!
Domingo passado foi o primeiro do Advento, quem vai chegar é Jesus! E embora muitos finjam que não o conhecem, outros reconhecem e celebram sua vinda! De fato, como disse Bill Gates, em março deste ano: "Faz sentido crer em Deus...minhas doações são motivadas por minha fé". Gates não está sozinho, no time dos que creem no Filho de Deus estão:
- Albert Einstein.
- Francis Bacon, o pai da ciência moderna.
- Galileu Galilei.
- Copérnico.
- René Descartes.
- Blaise Pascal.
- J.J. Thomson, descobridor dos elétrons e isótopos; homem que ajoelhava-se todos os dias para orar, e não se deitava sem antes ler a Bíblia!
- Ben Carson, primeiro neurocirurgião a separar, com sucesso, siameses unidos pelo crânio. Ele afirma: "Não tenho fé suficiente para crer que algo tão complexo quanto nossas capacidades de raciocinar, planejar, pensar, e ter senso moral do que é certo e errado tenham aparecido do acaso..."
- Isaac Newton.
- Marconi, inventor do Rádio.
- Benjamin Franklin.
- Fleming.
- Mendel, pai da genética.
- Nikola Tesla, o famoso engenheiro elétrico.
- C.S. Lewis.
- Bono Vox, do U2.
Estes e outros que abriram a porta de suas vidas, intelectos, e corações para o Salvador, cujo nascimento será celebrado em breve também são responsáveis por 65.4% de todos os Prêmios-Nobel ganhos entre os anos de 1901 e 2000. No geral, os cristãos ganharam os seguintes números do Nobel:
- 78% Paz.
- 72,5% Química.
- 65,3% Física.
- 62% Medicina.
- 54% Economia.
- 49,5% Literatura.
O mundo seria bem diferente sem a vinda do Senhor Jesus. Não parece algo muito inteligente viver a vida sem ele!
Quem vem lá? Pergunto ao profeta. Ele responde:
- (O menino) que "...Nasceu, um filho se nos deu, e o governo está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz." (Isaías 9:6)
Vem, Senhor, és bem-vindo e sempre serás! Vem e toma o teu lugar, enche minha casa, minha vida! Inspira minha mente como fizeste a todos os que te receberam, dando-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber os que creem no teu nome!
Por que não abrir seu coração e fazer parte deste time? Fale com Jesus!
Rev. Ebenézer Paz.
O Reverendo Ebenézer Medeiros Paz é Pastor e Missionário Internacional da Igreja Episcopal Carismática

A FIDELIDADE DO CRISTÃO A DEUS (por Dom Marcos Cefas)



A FIDELIDADE DO CRISTÃO A DEUS (por Dom Marcos Cefas)
Que a graça e a paz de Cristo Jesus, nosso amado e bom Pastor, sejam sobre a sua vida!
Amados, a fidelidade é uma opção!
Devemos viver em fidelidade. O SENHOR nos exorta: "Sê fiel até a morte, e dar-te-ei a coroa da vida" (Apocalipse 2:10c). E, portanto, se assim ele faz, é porque trata-se de algo maravilhoso para nós.
Devemos ser fiéis a DEUS. Ou seja, ser zelosos em obedecer seus ensinos e andar em santidade, crendo nas suas "mui grandes e preciosas promessas", até ao ponto de termos uma vida coerente e compatível com esta fé.
Isto implica em sermos fiéis, também, ao nosso próximo e a nós mesmos. Andar na verdade, lançando fora a falsidade, hipocrisia e toda forma de mentira. Sermos fiéis ao que já prometemos ao SENHOR.
Lembra quando você sacramentou sua aliança com Deus, fazendo promessas e votos diante dEle, da Sua Igreja e dos principados e potestades espirituais.
Perceba que o SENHOR não te dará jamais outra direção, senão a da fidelidade em amor?! Depois disto, todas as outras coisas tornam-se detalhes ou desculpas.
Vamos, unidos, viver intensamente a fidelidade, que nos está proposta em misericórdia, graça e amor - realizando triunfantemente o ide de ganhar vidas para Cristo e cuidar bem delas!!!
Eu conto com a sua mão junto a minha, suas orações, participação e, sobretudo, amor.
NEle, o amor que se fez carne, vos escrevo.
+Dom Marcos Cefas.
Dom Marcos Cefas é Bispo Diocesano da Igreja Episcopal Carismática

“NÃO JULGUEIS PARA QUE NÃO SEJAIS JULGADOS” (por Dom Raniere Campos)

“NÃO JULGUEIS PARA QUE NÃO SEJAIS JULGADOS” (por Dom Raniere Campos)
O julgamento é uma atitude altamente reprovada pelo Senhor Jesus Cristo. Se podemos dizer que há algo que ele odeia é a postura de condenar o próximo com bases em julgamentos falhos e injustos. Diversas vezes no Novo Testamento o encontramos em conflito com os fariseus por assumirem cargo de juizes de todos.
Jesus dirige suas palavras aos seus discípulos na intenção de corrigir esta postura de superioridade sobre os demais. Nada se afasta mais dos princípios de Cristo do que esta atitude de estereotipar e engessar as pessoas numa condição de reprovação sem permitir a possibilidade de mudanças.
Embora sejamos encorajados a não julgar, precisamos entender que estamos constantemente fazendo avaliação das pessoas, e o próprio Senhor Jesus nos ensina a identificar os falsos profetas e distinguir os servos da luz dos servos das trevas. Recomendações tais como: “pelo fruto reconhecereis a árvore” e “examinai os espíritos” são sentenças claras que mostram a necessidade de discernirmos o certo e o errado, o bem e o mal.
Contudo nosso julgamento não deve ser de caráter moral e impiedoso. Sobretudo quando resultante de motivações ilegítimas.
O Mestre apresenta alguns possíveis motivos espúrios que nos levam a fazer juízo de outros, por isso, adverte tão veementemente “não julgueis”. Vejamos as intenções mais comuns envolvidas em nossos julgamentos:
* Causas mais freqüentes de julgamentos:
A Vaidade faz do seu possuidor um juiz da virtude e do vício, da pureza e da corrupção. A mania exibicionista de expor as qualidades e como se fala dos grandes e prodigiosos feitos. Exemplo disso é o ministro que deixou de tomar chá, café e coca cola, quando a verdadeira razão dessa atitude foi a de parecer melhor do que as pessoas que o cercam e que bebem grandes quantidades dessas bebidas.
A intenção é se exaltar, crescer na admiração das pessoas à custa de realizações e patamares alcançados, ao passo que o outro é visto como incapaz de atingir tal posto. É o nível de santidade, intelectualidade, econômico e profissional que “eu” cheguei e o outro não. Neste caso o “eu” é o parâmetro para julgar o outro.
A Inferioridade produz uma ambição exagerada, o individuo não consegue conter o impulso de julgar numa perspectiva de depreciação moral dos outros, derrubar os outros significa a elevação de si mesmo. Por mais que se autorepreenda e que rejeite esses julgamentos (como prazer por ter evitado a fofoca), sua necessidade interior de se afirmar como importante faz com que continue condenando os outros inconscientemente.
Tais indivíduos tentam superar a inferioridade que sentem julgando os outros menores ou desqualificados em relação a si, procuram justificar sua falta de valor próprio desvalorizando outros através de emissões de juízos no inconsciente. Eles não expõem suas idéias acerca dos outros apenas guardam para si. O que é pior já que não se submete a repressão social, age caladamente como sendo uma sentença fixa sem se abrir a opiniões de terceiros.
A Inveja tem uma nuance diferente, ela cobiça o alheio. Quer pra si o que é do outro e que não pode ter. De alguma forma está intimamente relacionada às anteriores, a maneira que se tem de aliviar a infelicidade sofrida por não ser ou ter o que é do outro é recompensada na tentativa de imitação. O julgamento se processa no aumento do defeito do próximo.
Aqui caminha de mãos dadas com a hipocrisia que é a forma de disfarçar tal sentimento feio. Assume-se uma aparência de piedade, pois bem disse Jesus quando advertiu para o suposto interesse em ajudar o semelhante: “Deixa-me tirar o cisco do teu olho”, quando seu real motivo é denunciado: “Hipócrita, tira primeiro a trave que está no teu olho e só assim poderás ver para tirar o cisco que está no olho do teu irmão”.
Todos esses problemas são do campo do relacionamento interpessoal. Nossa relação com o próximo é tão difícil em grande parte porque envolve questões interiores não resolvidas ou mal resolvidas. Conhecedores destas possíveis causas que não são nem um pouco santas, tomemos precauções na hora do julgamento, lembrando sempre do mandamento do Senhor: “Não julgueis para que não sejais julgados”.
* Sugestões para não cair no falso julgamento:
Compreender os motivos que me levam a julgar: Antes de fazer qualquer julgamento é importante vasculhar nosso coração e saber o que se passa ali, quais os interesses que estão nos levando a tal conduta. “A própria compreensão fará muito pela clarificação das motivações e mostrará os ardis nelas existentes” contra as quais se devem lutar. Ao compreendermos nossos sentimentos de vaidade, inferioridade, inveja ou ambição egoística de forma nua e crua, logo seremos tranqüilizados em relação à necessidade de condenar o semelhante. Nas palavras de Jesus enxergar a trave no próprio olho fará com que busquemos primeiro o auto julgamento sem nenhuma pretensão de condenar quem quer que seja.
Ter coragem de assumir as imperfeições: isso quer dizer se capaz de errar. Encarar a si mesmo em verdade e graça e ser capaz de assumir que o problema talvez não esteja fora, mas dentro. “Deixa-me tirar o cisco do teu olho”, é a demonstração de ver no outro seu pequeno problema enquanto se tem uma trave no próprio olho. Ter a coragem de reconhecer a imperfeição e que somos capazes de falhar é uma virtude terapêutica no processo de amadurecimento. Quem assim procede deixa de culpar o mundo por suas próprias falhas, na verdade, o fracasso e as falhas passam a ser interpretadas não como o fim, mas como instrumentos de aperfeiçoamento. Quem é perfeccionista brinca de ser deus.
Quem pensa duas vezes desiste de ser juiz ou algoz dos outros porque passa a ver em si mesmo problemas suficientes a serem trabalhados. A coragem de assumir defeitos implica na transferência dos esforços para outro campo de batalha, o do crescimento pessoal em vez do julgamento alheio. Este é o primeiro passo para se fazer coisas realmente importantes na direção de superar fracassos e adquirir sucessos na convivência consigo e com os demais.
Sentir prazer no processo de viver, como em seus objetivos: possibilitará uma nova visão da vida, um novo entendimento da dinâmica da própria existência e seu significado. É saber que estamos num processo de evolução como cristãos e cidadãos deste planeta. E todo processo envolve investimento de tempo, trabalho e avaliação. Estamos em movimento, aleluia! Movemos-nos para um fim enquanto finalidade que é atingir a medida da estatura do homem perfeito – Jesus Cristo.
Prazer está no fato de que podemos desfrutar essas transformações, como a palavra grega aponta “metamorfose”, a transição de uma lagarta para uma linda borboleta. Sentir prazer tanto no caminho como na caminhada, enquanto isso entender que tanto nós como os outros estamos ainda em construção, ninguém está formado. Por isso a preocupação em julgar nada mais é do que uma precipitação do fim. Em sentindo este prazer, seremos libertados da necessidade ulterior de prender as pessoas ou nós mesmos em julgamentos fixos e condenações injustas.
Veremos que o julgamento não precisa fazer parte da nossa vida obrigatoriamente. Enquanto amamos a vida com aquilo que ela nos apresenta nos tornamos capazes de aprender com tudo e todos e aprender também que com o tempo as pessoas mudam.
Ser interessado nas pessoas por causa delas mesmas: antes de julgar alguém precisamos nos perguntar se o estamos fazendo porque realmente nos interessamos pela pessoa, por causa dela, e não pela necessidade de auto afirmação ou motivos acima apresentados. Guarde esta regra cristã para sua melhor orientação: “Pessoas são mais importantes do que seus erros”.
Verifique quais as verdadeiras causas que te impedem de admirar as pessoas pelo que elas são em si mesmas. Somos hábeis em mascarar as verdadeiras motivações com fachadas superficiais e mentirosas. Alguns dizem: “eu amo as pessoas por amor a Deus”. Sendo apenas uma desculpa por não conseguir admirar liberal e despretensiosamente seus semelhantes.
Conhecendo bem esta falácia do coração humano o Senhor Jesus repreende: “Hipócrita, tira primeiro a trave que está no teu olho e só assim poderás ver bem para tirar o cisco que está no olho do teu irmão”. Todos poderiam dizer: “veja só quanta demonstração de solidariedade em querer ajudar o irmão tirando o cisco de seu olho”. Sendo que na verdade esta é uma demonstração de fingimento, pois seu propósito era apontar a falha do irmão (embora pequena – um cisco). Ao passo que ele mesmo tinha maiores defeitos (uma trave no olho).
O certo segundo nosso Senhor é buscarmos nos corrigir para em seguida tentarmos ajudar o irmão. Ajudar com as motivações corretas. Ajudar por ele. Pelo real desejo de ajudar, o que deve falar mais alto é o interesse pela pessoa e seu bem-estar.
*Conclusão:
Devemos ser cautelosos com os juízos de valores que fazemos dos outros. Como cristãos deveríamos ser totalmente desprovidos da necessidade de julgamentos alheios. Apontar é sempre uma grande responsabilidade e traz muitas implicações sérias tanto para quem é a vítima que sofre danos muitas vezes morais e psicológicos quanto para quem julga porque atrai mais severo julgamento de outros quando errar ou cometer falhas.
Observemos nossas motivações interiores antes de julgar e tenhamos em mente estas sugestões aqui apresentadas para orientar nosso convívio com as demais pessoas, pois agindo assim cumpriremos a lei de Cristo – que nos amemos uns aos outros como Ele nos amou. Amém!
+ Revmo. Dom Raniere Campos
Leia mais: http://www.iecb-juazeiro-do-norte.com.br/…/o-falso-julgame…/
Dom Raniere Campos é Bispo Diocesano da Igreja Episcopal Carismática.

O MELHOR VINHO (por Dom Alexandre Ximenes)

O MELHOR VINHO (por Dom Alexandre Ximenes)
"E DISSE-LHES: TODOS SERVEM PRIMEIRO O MELHOR VINHO E, DEPOIS QUE OS CONVIDADOS JÁ BEBERAM BASTANTE, O VINHO INFERIOR É SERVIDO; MAS VOCÊ GUARDOU O MELHOR ATÉ AGORA"!! (João 2:10)
Primeiro milagre de Jesus de Nazaré! Uma espécie de cartão de visitas!! Inicia transformando! Mudando para melhor!! Transformar é a especialidade Dele!!! Tristeza em alegria; Lágrimas em sorrisos; Derrotas em vitórias!! Morte em vida!! Para isso veio! Para dizer que nada é imutável! Situação nenhuma, por pior que seja, é, para ELE, irreversível! Com ELE na vida a festa não acaba!! Na minha vida e na sua, ELE opera transformações!! Não se entregue!! Não assuma derrota, por mais que o tempo passe!!
O vinho (saúde, casamento, paz, fé,) pode acabar, mas, antes que a festa acabe, ELE CHEGA!!! Transforma a água em que sua vida se tornou em vinho da melhor qualidade!
E, preste atenção!! A Bíblia diz que "o segundo vinho foi melhor que o primeiro"!!!
Querido(a), o melhor vinho na tua vida, AINDA SERÁ SERVIDO!!! Com Jesus, a festa termina melhor que começa!!
Ouça: A semana que vem será melhor do que esta; o mês que vem será melhor que este; 2015 será melhor que 2014! Porque DEUS ESTÁ GUARDANDO O MELHOR VINHO PARA MAIS TARDE!!
Vá preparando tudo! A festa na sua vida ainda não acabou!! Ainda vai começar! Os melhores dias da sua vida ainda irão acontecer! Digo isso a você, em Nome do Senhor Jesus!
Abraço carinhoso, na certeza que amanhã será melhor que hoje!
+D. A. Ximenes.
Dom Alexandre Ximenes é Bispo Diocesano da Igreja Episcopal Carismática.

Foto de Paróquia Betânia - Igreja Episcopal Carismática.

CONHECENDO A IGREJA EPISCOPAL CARISMÁTICA O MOVIMENTO DE CONVERGÊNCIA (por Dom Paulo Garcia)

CONHECENDO A IGREJA EPISCOPAL CARISMÁTICA
O MOVIMENTO DE CONVERGÊNCIA (por Dom Paulo Garcia)
A Igreja Episcopal Carismática faz parte do chamado Movimento de Convergência. Não somos uma dissidência, não nascemos de uma ruptura, mas de um retorno às raízes de um cristianismo plantado por Cristo. Nossa Igreja busca encontrar-se com os tesouros da tradição cristã, num mundo cada vez mais apático a eles, mas ao mesmo tempo busca responder ao homem moderno com sua linguagem e aos seus dilemas.
O movimento de convergência, no qual estamos inseridos, é assim o retorno à fonte de água viva, na busca de matar a sede de um homem que vive de cisternas. É um sopro do Espírito Santo na história da Igreja Cristã, que sempre caminhou numa estrada de rupturas e isolamentos, a um retorno à unidade primeira.
Uma igreja convergente não é uma Igreja Sacramental apenas, nem uma igreja evangélica e tão pouco uma igreja carismática. Somos um movimento que busca retomar estas três tradições bíblicas, que permeou o inicio da Igreja, de uma forma relacional. Queremos integrar em nossas vidas o ser sacramental, evangélico e carismático.
Há uma nova reforma acontecendo, através do Movimento de Convergência, essa agora de retornou, não mais de divisão. Um retorno a uma vida de plenitude desta igreja cristã, antes das rupturas, a restauração de uma Igreja Apostólica, Santa, Católica e que vive toda a plenitude do Reino de Deus.
Assim o Movimento de convergência é uma busca pelo renascimento de uma espiritualidade integral na vida da Igreja:
Através de uma vida sacramental, que se relaciona com um Deus presente e real na história e que nos deixou elementos e ritos que são expressões visíveis de sua presença invisível.
Através de uma vida evangélica, que compreende a necessidade do homem converter-se a Deus, através de Cristo, viver uma vida de relação com ele através de sua palavra escrita, às Sagradas Escrituras, e ser.
Através de uma vida carismática, que se situa na compreensão de que a presença pessoal de Deus em nossas vidas, através do Espírito Santo, é real e quer nos mover a uma vida de intimidade com o Pai, por meio do Filho. O Espírito não é uma fonte de poder, mas de relação. Ser carismático é relacionar-se com a Trindade pelo Espírito Santo, ele é aquele que distribui os dons e carismas ao corpo de Cristo, mas sempre na busca de edificar o corpo.
Estas três tradições andam juntas, tendo como centro de convergência uma vida litúrgica, pois é nela que se celebra o Deus Trino. Assim o evangelical, o sacramental e o carismático querem nos levar a uma vida de intimidade e transformação em nossa relação litúrgica com o Deus Pai, criador; Filho, redentor, e o Espírito Santo, consolador, formando uma comunidade entre nós, seu corpo, e Ele.
O Movimento de Convergência é uma convocação a um reavivamento de Deus em sua Igreja e nós da Igreja Episcopal Carismática saudamos esse reavivamento com júbilo.
Leia mais em www.catedralsstrindade.com.br
Dom Paulo Garcia é o Arcebispo e Primaz no Brasil da Igreja Episcopal Carismática.

O MINISTÉRIO DOS INTRODUTORES DO TEMPLO

O MINISTÉRIO DOS INTRODUTORES DO TEMPLO
Diante do crescimento de nossa Igreja, surgiu a necessidade de colocar pessoas para ajudarem na organização dos Cultos e entre estas atividades, uma especialmente clamava por pessoas comprometidas com a denominação: Receber àqueles que vinham adorar a Deus em nossas celebrações.
Assim, surgiu o grupo de Introdutores.
Hoje, temos três grupos diferentes para atuarem nos Cultos do domingo.
Nossos Introdutores são pessoas da Comunidade que sentem no coração o desejo de servir, sendo espelho daquilo que comungam durante suas vidas dedicadas a Deus e colocam seu tempo de um domingo no mês para receber com carinho, amor e atenção, não somente aos que nos visitam, mas àqueles que são fiéis participantes dos Cultos.
Nossas atividades são muito variadas, pois abrangem:
• Entrega dos informativos, formulários de movimentos, informações das atividades da Igreja, organização do Templo para que o Culto transcorra da melhor forma possível, localização de lugares vazios, entre outras;
• Recebimento com carinho das pessoas tentando fazer com que o amor do Senhor seja sentido por todos desde a chegada ao Templo.
Este é um trabalho totalmente voluntário que exige apenas a vontade de servir a Deus através dos Seus filhos e a perfeita sincronia com o Santo Espírito do Senhor, permitindo que Ele seja realmente o Líder de todos.
Nosso objetivo principal: REFLETIR A IMAGEM DE CRISTO.
Fonte: Catedral da Santíssima Trindade - www.catedralsstrindade.com.br

O MINISTÉRIO DOS ACÓLITOS

O MINISTÉRIO DOS ACÓLITOS
ORIGEM DA PALAVRA
Acólito tem sua raiz na palavra grega "akolouthos" que significa "discípulo", "aluno", "acompanhante".
Acólito é aquele que serve junto ao Altar, representando a congregação, mas, quanto à origem da palavra, é "aquele que acompanha, assiste e ajuda". Em síntese, acólito é aquele que ajuda um Clérigo nos ofícios da Igreja.
SÍNTESE HISTÓRICA
A função de acólito é parte da uma tradição muito antiga na Igreja cristã. Cornélio, Bispo de Roma, menciona os "acólitos" numa carta escrita a Fábio de Antioquia (da Síria), no ano de 251 AD.
Aprendemos que há na igreja três Ordens de ministros: Bispos, Presbíteros e Diáconos. Este tríplice ministério existe desde os tempos apostólicos, mas no fim do século III apareceram as "Ordens Menores" que eram quatro: porteiros, leitores, exorcistas e acólitos. Como uma "Ordem Menor" os Acólitos tinham a função de auxiliar os Diáconos em seu trabalho.
Na carta do Bispo Cornélio é mencionada a existência de 42 acólitos no Clero da cidade de Roma. Cipriano, Bispo de Cartago (norte da África), também, cita os acólitos em suas cartas (de 200 a 258 AD). O 4º Concílio de Cartago (398 AD) aprovou instruções específicas com respeito à ordenação de acólitos.
ATUALIDADE
A função do Acólito, no entanto, tal como conhecemos hoje, surgiu por volta de 1950 e foi instituída na, então, Paróquia da Trindade, em Recife, hoje Catedral da Trindade em 1997. A atual coordenadora geral é: Eliane Campos.
Convém salientar que os costumes variam de Paróquia para Paróquia. São os "costumes locais" ou "usos paroquiais", uma vez que um Pároco pode ser mais solene, outro mais informal, um mais exigente e outro mais flexível.
Contudo, todos reconhecem a importância do acolitato na vida da Igreja. Servir junto ao altar de Deus é um privilégio e uma responsabilidade. O Acólito (que pode ser de ambos os sexos) deve orar de contínuo para que seja cada vez mais digno deste santo serviço.
FUNÇÕES BÁSICAS DOS ACÓLITOS
a) Recolher as ofertas;
b) Ajudar na distribuição dos elementos da Eucaristia;
c) Fazer as leituras bíblicas, se convidado pelo celebrante;
d) Aprender a preparar (e retirar) a Mesa do Senhor para a Eucaristia e estar sempre disponível para executar esta função.
PROCESSIONAL E RECESSIONAL
O Acólito precede os Ministros Comissionados, Diáconos, Presbíteros e/ou Bispos tanto na entrada como na saída do Templo.
PREPARAÇÃO PARA A EUCARISTIA
O Acólito, assim como todo o povo de Deus, deve aproximar-se da Mesa do Senhor confiante no perdão divino, arrependido e decidido a levar uma vida nova. Deve fazer um exame de consciência sério e pensar em tudo aquilo que fez e que não foi do agrado do Senhor Jesus (pensamentos e desejos indignos, hábitos errados, falta de compaixão, incapacidade de se posicionar em favor dos menos favorecidos, uso inadequado da língua, chegando a ferir a dignidade dos outros, etc).
Deve sempre lembrar que a Palavra de Deus aconselha um preparo adequado para receber o Corpo e Sangue de Cristo (1 Co 11:17-34, especialmente os versículos 27 e 28: "Por isso, aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente, será réu do corpo e do sangue do Senhor. Examine-se, pois o homem a sai mesmo e então coma do pão e beba do cálice").
O Acólito deve esmerar-se no cuidado com esta admoestação. O preparo pode ser iniciado na véspera da celebração. Deve estar pronto para entrar na presença do Senhor Jesus. O momento da confissão deve ser vivenciado com devoção sincera e arrependimento verdadeiro.
O ESTILO DE VIDA DE UM ACÓLITO
A prática da leitura bíblica diária ou de um devocional é altamente recomendável para o Acólito que deve desenvolver sua espiritualidade diariamente, não apenas num dia especial do final de semana.
Se a oração e a leitura bíblica devem ser práticas diárias de qualquer cristão, muito mais ainda de um Acólito!
Mas não somente isto, a meditação, confissão, jejum, adoração, simplicidade, submissão, humildade devem ser uma constante na vida particular de cada Acólito.
Praticados com regularidade devem se tornar um hábito por meio do qual a vida espiritual pulse e solidifique uma profunda comunhão com Deus e com os irmãos.
Sabemos que não conseguiremos fazer as coisas de modo totalmente perfeito, mas precisamos nos esforçar para alcançar a excelência. Todo Acólito deve ser exigente consigo mesmo e deve, também, buscar o aperfeiçoamento para o desempenho do seu serviço para a edificação do Corpo de Cristo (Ef. 4:12).
Parte importante do aperfeiçoamento contínuo do Acólito é desvincular-se do seu eu para permitir que Cristo cresça e apareça em sua vida. Assim, o Acólito será, como é desejável, a presença de Cristo no mundo.
OUTRAS RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES
É importante considerar o caráter da vida daqueles que são admitidos a este ofício. Este ofício não é destinado a acolher pessoas só porque frequentam regularmente a Igreja, mas outros valores estão envolvidos no processo, tais como boa índole, caráter reto, compromisso com Deus, vida familiar equilibrada, fidelidade à contribuição, desejo de ser espelho para outras pessoas na comunidade ao refletirem a luz de Cristo.
O Acólito deve expressar uma vida de fé e precisa de disciplina para progredir no desenvolvimento dos dons que Deus a ele confiou.
A vida no acolitato deve se expressar com a presença, tanto quanto possível, em todos os domingos no Culto, como também nas demais celebrações. Caso não possa comparecer, deve comunicar ao coordenador do seu turno ou procurar um substituto para que não falte assistência ao celebrante.
A consagração da sua vida a Deus é o que de mais importante deve acontecer na vida de um Acólito.
ORAÇÃO DO GRUPO DE ACÓLITOS
"Oh Deus Onipotente que convocaste os teus servos à sagrada missão de acolitar em tua Igreja, de ministrar em tua presença, rogamos-te humildemente que, por tua grande misericórdia, nos guie, nos fortaleça e santifique por teu Espírito Santo.
Queremos executar sempre a tua vontade, tanto no serviço que te prestamos em tua Casa, como em nosso viver diário para que o nome de Jesus seja glorificado. Nós te agradecemos pelo privilégio de termos sido escolhidos para esta função e queremos honrar sempre este ministério. Em nome de Jesus. Amém!"
Fonte: Catedral da Santíssima Trindade - www.catedralsstrindade.com.br

CONHECENDO A IGREJA EPISCOPAL CARISMÁTICA OS CURSILHOS DE CRISTANDADE

CONHECENDO A IGREJA EPISCOPAL CARISMÁTICA
OS CURSILHOS DE CRISTANDADE
DESCRIÇÃO DO MINISTÉRIO - HISTÓRICO
O Movimento Cursilhista propaga o ensino de Jesus Cristo, como está escrito na Bíblia: "o reino de Deus é semelhante a um grão de mostarda, que é a menor de todas as sementes, e, crescida, é maior do que todas as hortaliças, e deita grandes ramos a ponto de as aves do céu poderem aninhar-se à sua sombra." (Marcos 4:30, 32)
Este Movimento começou no final dos anos 40 do século XX. Sensibilizados pela generalizada destruição resultante da Segunda Guerra Mundial, alguns sacerdotes e leigos juntaram esforços para restaurar nas pessoas a consciência cristã, substituída pelos valores seculares. Um dos principais fundadores do Movimento Cursilhista foi o jovem leigo espanhol Eduardo Bonnin.
Os primeiros "Três Dias", vivenciados conforme fazemos hoje, ocorreram em janeiro do ano de 1949 no Mosteiro de San Honorato, localizado na ilha espanhola de Majorca.
A ideia do Cursilho foi defendida pelo bispo Juan Hervas, da Igreja Católica Romana, e o Padre Gabriel Sergue escreveu "Origens do Cursilho Cristão, 1941 – 1949", o primeiro livro sobre o assunto.
Originário da Igreja Católica Romana, o Cursilho logo se enquadrou, fácil e rapidamente, em outras denominações Cristãs e é hoje um movimento propagado no mundo. Seus participantes são incentivados a comunicar o valor do Cursilho a todos os seres humanos e não somente aos membros da sua própria Igreja, a fim de que muitos possam, independentemente da sua denominação religiosa, desfrutar os benefícios espirituais contidos na mensagem desse Movimento.
Nos Estados Unidos, o primeiro Cursilho se deu em 1954, e até 1961 seu idioma oficial foi o espanhol. Seguiram-se adequações ao idioma e à cultura de cada país, sem que a essência da ideia do Cursilho fosse alterada, pois a prioridade é o treinamento de novos líderes cristãos.
Em 1972, alguns membros da Igreja Episcopal americana, ao lado de outros evangélicos de variadas filiações, organizaram o primeiro Cursilho ecumênico, então denominado de "Três Dias", porque autoridades da Igreja Romana nos Estados Unidos impediram a utilização do nome "Cursilho" por pessoas não católicas. Esse movimento "Três Dias" chegou ao estado de Connecticut em 1975, levado por vários pastores e leigos da Igreja Episcopal. Foi assim que uns cinquenta congregados consolidaram o Cursilho Episcopal.
HISTÓRIA DO CURSILHO NA IGREJA EPISCOPAL NO BRASIL
O Cursilho de Cristandade é um movimento de Igreja que, por método próprio, viabiliza a vivência dos ensinamentos cristãos. Dessa maneira, grupos cristãos levam o fermento do Evangelho aos mais diversos ambientes, ajudando pessoas na descoberta e na realização de vocações trabalhadas à luz do Evangelho.
O Cursilho Episcopal é derivado do Cursilho Católico Romano. Utiliza expressões do idioma Espanhol como Cursilho, que significa "pequeno curso", Rollos em vez de palestra e Decúrias para designar a reunião dos grupos.
Usualmente o Cursilho começa na 5ª feira à noite e termina às 20h00 do Domingo. Durante esses três dias, seus participantes convivem e estudam juntos, compartilhando o aprofundamento de sua fé e da conscientização da responsabilidade social e religiosa do cristão.
O Cursilho Episcopal é aberto a todos que desejam se fortalecer para a caminhada com o Senhor Jesus, confiados no poder da oração, na bênção do Espírito Santo de Deus e na plena realização da sua liderança.
O Guia do Peregrino, pequeno livro devocional, ajuda o Cursilhista em sua caminhada de oração. Incentiva a busca de maior intimidade com Deus, oferece roteiros de estudo, inclui salmos, reflexões, louvores e um programa diário de leitura bíblica.
A canção símbolo do Cursilho, denominada DE COLORES, significa "cheio de cores, colorido, tecnicolor", é cantada em todos os países onde se realizam Cursilhos.
O GALO, que anuncia cantando o alvorecer de cada novo dia, assemelha-se ao que este Movimento faz em nossa vida e, por isso, se tornou o emblema do Cursilho Masculino. Já a BORBOLETA simboliza o processo de transformação e conscientização das participantes do Cursilho Feminino. Galo e borboleta são representações da alegria e da renovação de quem passa a viver na graça e no amor de Deus.
O CURSILHO EPISCOPAL NA CATEDRAL DA TRINDADE
Em 1981/82, o então pastor Paulo Ruiz Garcia e família residiram nos Estados Unidos, onde ele participou da equipe da St. Paul's Episcopal Church, em Darien - Connecticut, liderada pelo renomado Rev. Terry Fullam. Foi quando o nosso futuro Arcebispo e sua Márcia participaram de um Cursilho Episcopal realizado pela Diocese de Connecticut. D. Márcia já havia feito o 1º Cursilho Jovem na Igreja Católica, em Campo Grande – MS, experiência que marcou, profundamente, a sua vida religiosa. Esse Cursilho de Connecticut acendeu no coração de D. Paulo e D. Márcia o desejo de estender esse Ministério aos evangélicos brasileiros, e nisso tiveram, então, todo o apoio da comunidade americana que os estava acolhendo.
Assim, durante a 34ª Reunião Sinodal da Igreja Episcopal do Brasil, realizada em São Paulo, em julho de 1982, foi aprovada a proposta da Diocese Setentrional, visando a implantação do Ministério de Cursilhos em nossa comunidade denominacional. O primeiro Cursilho da Paróquia da Santíssima Trindade, realizado em julho de 1984, contou com o amoroso apoio presencial de representantes da comunidade episcopal de Connecticut.
PROPÓSITO DO CURSILHO
• Espalhar o evangelho em todos os ambientes;
• Concretizar Cristo no cotidiano de nossas vidas;
• Construir uma relação vertical com Deus e horizontal com as pessoas;
• Demonstrar inquietação social;
• Descobrir seus Dons e colocá-los a serviço da comunidade.
OUTRAS INFORMAÇÕES RELEVANTES
O Movimento Cursilhista, graças à sua proposta dinâmica de disseminação do Evangelho, cada vez mais se expande e atrai novas denominações evangélicas nacionais. Do seu começo, em 1984, até agora, mais de 16.000 pessoas foram abençoadas por esta maravilhosa obra do Espírito Santo.
Segundo João 3.8, "O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo o que é nascido do Espírito".
A oração de nosso Arcebispo D. Paulo Garcia é para que o Cursilho seja um novo amanhecer na existência de quantos tenham a oportunidade de vivenciá-lo.
Adaptado de textos escritos pelos: Arcebispo Primaz da IEC – Dom Paulo Ruiz Garcia e Revmº Bispo Edmund Knox Sherril.
Fonte: Catedral da Santíssima Trindade - catedralsstrindade.com.br

A FÉ, A FORÇA DA ESPERANÇA E O PODER DO AMOR (por Pr. Tércio Lyra)

Foto de Paróquia Betânia - Igreja Episcopal Carismática.

A FÉ, A FORÇA DA ESPERANÇA E O PODER DO AMOR (por Pr. Tércio Lyra)
A Palavra de Deus nos ensina a tomarmos as ferramentas para uma vida de sucesso e vitórias. A vitória que vence o mundo é a nossa fé. I João 5.4. Tomemos posse da fé que “é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem.” (Hebreus 11.1). 
EXERCER A FÉ É:
VER O INVISÍVEL – Como aconteceu com Eliseu diante do exército sírio, totalmente cercado, sem saída, onde só era possível ver a derrota; pela fé, Eliseu viu o exército de anjos e, disse ao seu moço: “Não temas, porque mais são os que estão conosco do que os que estão com eles.” 2Reis 6.8-23. E, com você, saiba que diante de todos os seus problemas e desafios, o anjo do Senhor acampa-se ao seu redor para guardar você ( Salmo 34.7)
OUVIR O INAUDÍVEL - Assim aconteceu com o profeta Elias; homem sujeito às mesmas fraquezas que todos nós, depois de ter orado, passaram-se três anos e seis meses sem chover e, quando orou novamente, (Tiago 5.17,18) e, antes de cair a chuva ele disse ao rei Acabe: “Então, disse Elias a Acabe: Sobe, come e bebe, porque já se ouve ruído de abundante chuva.” I Reis 18.41. Ouvimos muitas vozes e opiniões das pessoas mas, pela fé, você pode ouvir o inaudível; ouvir a voz de Deus no seu coração lhe orientando e lhe guiando no seu caminhar.
FAZER O IMPOSSÍVEL – Da maneira que aconteceu com Izabel, já envelhecida e sendo considerada estéril; Deus a fez conceber “Porque para Deus não haverá impossíveis em todas as suas promessas.” Lucas 1.37. Se diante de você surgir algo impossível, lembre-se de que o nosso Deus é o Deus dos impossíveis. Pois, Jesus afirmou: “Os impossíveis dos homens são possíveis para Deus.” Lucas 18.27.
A FORÇA DA ESPERANÇA, é fundamental para alimentar a sua fé pois, “Abraão, esperando contra a esperança, creu, para vir a ser pai de muitas nações, segundo lhe fora dito: Assim será a tua descendência.” Romanos 4.18. Saiba que “os que esperam no Senhor renovam as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fatigam.” Isaías 40.31. Cultive a esperança; “E o Deus da esperança vos encha de todo o gozo e paz no vosso crer, para que sejais ricos de esperança no poder do Espírito Santo.” Romanos 15.13
O PODER DO AMOR, é a maior força do universo. Pois, a Palavra de Deus diz em I João 4.8, que Deus é amor. O amor jamais acaba e tudo crê, tudo suporta e tudo espera. I Coríntios 13.7,8. Sendo assim, em tudo o que você fizer, faça-o com amor e, verdadeiramente você será surpreendido pelo sucesso. Que Deus abençoe você. Amém.
Pr. Tércio Alves de Lyra.
Fonte - http://terciolyra.blogspot.com.br/…/a-fe-forca-da-esperanca…
O Reverendo Tércio Lyra é Pastor da Igreja Episcopal Carismática e Psicólogo Clínico

CONHECENDO A IGREJA EPISCOPAL CARISMÁTICA

CONHECENDO A IGREJA EPISCOPAL CARISMÁTICA
OS SEMINÁRIOS DE VIDA NO ESPÍRITO SANTO - SVES
POR QUE RENOVAÇÃO ESPIRITUAL NA IGREJA?
A resposta a esta questão é simples. Renovação na igreja é um processo que envolve ensino, inspiração, exortação, dons espirituais, encorajamento e ministério, através do qual a congregação vem a ser o que Deus quer que ela seja, e seus membros se tornam discípulos obedientes a Jesus Cristo. A palavra do apóstolo Paulo a este respeito é: "Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais de antemão preparou para que andássemos nelas." Paulo sabia, como qualquer pessoa que pensa sabe, que deus não é ingênuo e nem se engana. Ele não criou nada sem ter em mente um plano e provisões necessárias para ela. Isto significa que a Igreja ( Paróquia) que falhar em mover-se de acordo com a vontade de Deus e Seus planos irá, sem dúvidas, estar em oposição a Deus. "Quem não é por mim é contra mim, e quem comigo não ajunta, espalha."
A Paróquia que estiver em renovação será aquela em que seus líderes escutam o Espírito Santo, que ensinam e pregam pela revelação de Deus na Bíblia, e que estão atentos a maneira que Deus continua a se revelar no meio da vida paroquial. Isto confirma estas palavras: "Disto também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito, conferindo coisas espirituais com espirituais."
Resumindo este ponto: a Paróquia em processo de renovação que centralizar sua vida na pessoa de Jesus Cristo estará fundamentada na revelação de Deus como está na Bíblia, e concluirá que nada disso se realizará sem a interação do Espírito Santo em sua vida.
Tudo isto é sobrenatural. Significa que deus invade nossa vida natural com coisas sobrenaturais. Este é o porquê por duas vezes Jesus encheu os discípulos com o Espírito Santo antes de deixá-los levar Sua Palavra ao mundo. (João 20: 2 Atos 1: 4-8) "Sem mim nada podereis fazer." (João 15: 15).
Se uma Paróquia quer ser o que Deus quer para ela, então ela necessariamente tem que estar cheia do Espírito Santo de maneira sobrenatural, assim como os discípulos estavam. Ela tem que estar cheia do Espírito para conhecer a Jesus e fazer a sua obra. A Igreja murcha e seca, sem o envolvimento sobrenatural com Deus, do contrário a Igreja aflora quando ouve a voz de Deus, obedece a Ele e se apossa do que Ele promete para viver sua vida e realizar seu trabalho.
QUEM É O ESPÍRITO SANTO PARA NÓS
No início do capítulo 19 do livro de Atos há registro de um fato interessante e significativo.
Paulo chega a Éfeso e encontra nessa cidade um grupo de novos cristãos. Perguntando-lhes se haviam recebido o Espírito Santo quando abraçaram a fé. A resposta é surpreendente; "nem sequer ouvimos dizer que o Espírito Santo existe".
Talvez a mesma resposta possa ser dada por muitos cristãos hoje: "nem sabemos que Ele existe. ". No entanto, Cristo confiou-lhe Sua obra. Disse que Ele permaneceria conosco; que ele nos ensinaria toda a verdade; lembrar-nos-ia Suas palavras; seria nosso Consolador (João 14: 15-20 ).
O livro de Atos dos Apóstolos è chamado "O Evangelho do Espírito Santo" porque nos mostra de que são capazes aqueles que se entregam à Sua ação e se deixam guiar por Ele.
Para você quem é o Espírito Santo? Que lugar Ele ocupa em sua vida?
Às vezes constatamos que nossa vida cristã não é o que poderia ser não tem a qualidade que deveria Ter. As dificuldades nos abatem, as preocupações nos absorvem, a dúvida nos atormenta. Muitas vezes corremos o risco de desanimar na luta.
Sabe por que isso acontece? É porque nos esquecemos de que temos em nossa fonte de vida, o amigo, a força, o consolador. Para aqueles que se deixam guiar por Ele não há desânimo, não há derrota, não há medo, pois como dizia Paulo: "tudo posso naquele que me fortalece".
Deixe-o agir em você. Deixe que Ele lhe indique o caminho e Ele o conduzirá à fonte da vida e você encontrará a alegria, a paz, o fruto de Sua ação.
Ele existe! Depende de você deixar que esta realidade maravilhosa empolgue sua vida. Ele dará um novo sentido, uma nova plenitude ao seu dia-a-dia, apesar dos momentos difíceis. Ele conduzirá ao foco do amor e do poder.
O Seminário de Vida no Espírito Santo, visa ajudar os participantes a estabelecer, restabelecer e aprofundar um relacionamento pessoal com este maravilhoso Espírito santo de Deus.
Fonte: Catedral da Santíssima Trindade - catedralsstrindade.com.br

PAGUE O MAL PELO BEM (por Dom Raniere Campos)

PAGUE O MAL PELO BEM (por Dom Raniere Campos)
“Disse Nabal aos mensageiros de Davi: há muitos servos hoje que fogem aos seus senhores” (I Samuel 25: 10 a 17).
Esta é uma história de três personagens principais: Davi, Nabal e Abigail. Cada um com suas peculiaridades e atos que tem muito a contribuir para nosso crescimento espiritual. Portanto, conheceremos mais de perto para retirarmos lições proveitosas para nossos relacionamentos interpessoais.
A história pode ser sumariada da seguinte maneira. Nabal era homem próspero na região do Carmelo em Israel. Era intempestivo e muito rude no trato com as pessoas. Casado com Abigail mulher dócil e sábia, ambos formavam a antítese em sua melhor forma. A riqueza do homem se concentrava no número de ovelhas que possuía, diz a Bíblia que tinha três mil ovelhas, as quais estavam sendo apascentadas por seus empregados na região montanhosa e se preparavam para a tosquia.
Davi se encontrava na região com seus homens fugindo do rei Saul que procurava matá-lo. Enquanto permaneceu no local guardou as ovelhas de Nabal até o momento de tosquiar os animais. Costumeiramente em Israel se costumava na época da tosquia o proprietário do rebanho presentear seus amigos e vizinhos com a carne de seu gado.
O fugitivo Davi resolveu aproveitar a ocasião e enviar mensageiros a Nabal contando tudo que tinha feito pelos seus pastores e o rebanho e, dessa forma pedir comida para alimentar sua tropa. Os mensageiros da Davi relataram tudo a Nabal que respondeu duramente e se negou dar qualquer contribuição ao bando.
Retornando os mensageiros relataram tudo que tinha ouvido, de maneira que a ira de Davi se acendeu e ordenou a 400 de seus homens que se cingisse com a espada e jurou: “Faça-me o Senhor o que quiser se amanhã a esta hora não tiver eu matado todos do sexo masculino da casa de Nabal”. E marchou em direção ao destino proposto.
*Aplicações do texto:
1. Não faça o bem de olho na recompensa: Comumente encontramos pessoas ou até mesmo nós mesmos realizando boas ações de olho no retorno ou troca de benefícios. Foi o que Davi fez, ele protegeu o rebanho de Nabal visando um presente de mantimentos em troca.
Tirar proveito de situações somente por alguma boa ação feita é errado. A Bíblia diz: “Tudo que formos fazer seja em obras ou palavras, devemos fazer como para o Senhor”. Oportunistas não fazem o bem pelo bem, mas pelo lucro, pela vantagem que pode tirar do momento. Como cristãos somos desafiados ao desinteresse capitalista, ou seja, a caridade como produto de auto promoção.
*Motivos para se fazer o bem:
1.1. Faça o bem porque é bom. O Senhor Jesus disse: “O homem bom do bom tesouro do seu coração tira o bem”. O principal motivo de nossas boas obras é o fato de termos sido criados em Cristo para isso, leia: “Pois somos feituras suas, criados em Cristo Jesus para as boas obras as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas” (Efésios 2:10). Certamente você se sentirá feliz em fazer a coisa certa.
1.2. Faça o bem porque é certo. Nós brasileiros estamos acostumados a fazer trambiques e falcatruas para tirar vantagens desonestamente sobre os outros, o resultado é uma falta de confiança generalizada. E muita burocracia ou altos gastos com mecanismos que garantam o caráter ilibado do negócio ou transação. Como filhos de Deus Bondoso, temos de sentir prazer e fazer o bem como a coisa certa a ser feita. Não interessa o que o mundo diz, nossas consciências devem está convencidas de que é melhor fazer a coisa correta sempre. E não porque é mais fácil fazer o mal.
1.3. Faça o bem pela necessidade. Este mundo está corrompido, o mal prevalece em todas as esferas das relações humanas. Ninguém se importa com o bem estar alheio, daí a necessidade de se fazer o bem é muito maior. Aproveite a ocasião em que se necessita de você e aja de acordo com o bem necessário. Davi entendeu que a ocasião era propicia para fazer o bem, nisso ele acertou, porém, errou porque o fez querendo algo em troca. A Bíblia adverte: “Aquele que sabe fazer o bem e não faz está pecando”.
2. Não pague o bem com o mal: Nabal pagou o bem que Davi lhe tinha feito com o mal. Sua resposta foi tão dura que não bastasse negar o mantimento, ainda ofendeu Davi e acusou de ladrão. Quando disse que muitos são os escravos que fogem dos seus senhores, Nabal se referia a Davi como um fora da lei, um bandido e, portanto, o desprezou. Sua ofensa se baseou no fato de que não devia nada a Davi, pois não tinha lhe pedido nada, nem tampouco, o contratara.
Verdade que Nabal não pediu que Davi cuidasse do seu rebanho, no entanto, não havia motivos de ser tão rude com aquele que só lhe fizera o bem. Esta é uma atitude de ingratidão, uma incapacidade de enxergar o valor do outro ou do seu serviço. Fica aqui um conselho. Olhemos melhor para aquelas pessoas que nos servem ou abençoam durante o dia e que nós muitas vezes não as percebemos. Exemplos: a cozinheira, o padeiro, o assento cedido, a toalha entregue no banheiro, o porteiro, etc.
Lembrete especial: todo bem que é pago com o mal atrai um mal maior ainda. Davi ficou tão furioso com a resposta daquele tolo que resolveu se vingar matando todos os homens de sua casa. Veja que desgraça atraiu para si e para todos os que com ele conviviam – a morte. Meus irmãos, o mal se paga com o bem e o bem com um bem maior.
3. Não se vingue, mas dê lugar a ira de Deus: O que encontramos aqui é erro por cima de erro. Davi se enfureceu e resolveu matar seu ofensor. Agir de cabeça quente só dá nisso, vingança e precipitação. A Palavra de Deus condena enfaticamente a vingança, antes assim recomenda: “Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas, dai lugar a ira. Pois Ele diz: Minha é a vingança, eu a retribuirei”.
Não suje suas mãos, tampouco os lábios, mas entregue a Deus que é vingador de toda injustiça. Davi se apressou em agir por si mesmo, mas Deus já tinha preparado a recompensa de cada um. Enquanto ele tido como homem de Deus corria para a retaliação, Abigail, mulher sábia corria ao seu encontro para consertar o erro de seu marido tolo e impedir o futuro rei de derramar sangue de pessoas inocentes.
A melhor resposta que podemos dar diante da ofensa é orar. Orar é entregar nas mãos d’Aquele que tudo vê e tudo pode. Esteja preparado para sofrer o dano porque é melhor do que causar, principalmente por termos o Deus que odeia injustiça como Senhor. O apóstolo Paulo orienta: “Porque vocês não sofrem o dano?” esteja certo de que quando Deus se vinga, Ele o faz da melhor forma possível e ainda exalta o ofendido. Nabal pagou por todas as suas crueldades sem que ninguém sujasse as mãos com ele, pois dez dias depois morreu de infarto.
4. Seja um Conciliador em nome do bem: Esta é a contribuição de Abigail no episódio, ser conciliadora em nome do bem. Ela não defendeu seu marido nem provocou Davi, pelo contrário, posicionou-se em favor do bem para ambas as partes. Sua argumentação instou com Davi de maneira que ele reconheceu: “Bendita sejas tu do Senhor que me impediu hoje de derramar sangue”. E só relatou ao seu marido o ocorrido um dia depois que os ânimos estavam acalmados.
Nosso Senhor disse: “Benditos os pacificadores (ou aqueles que constroem a paz) porque herdarão a Terra”. Esta é nossa missão, construir paz por onde andarmos, aproximar as mãos e promover o bem. Construir paz é também amenizar as tensões entre as pessoas.
Leia mais: http://www.iecb-juazeiro-do-norte.com.br/…/pague-o-mal-pel…/
Dom Raniere Campos é Bispo Diocesano da Igreja Episcopal Carismática.

O PODER DA ORAÇÃO (Dom Paulo Garcia)


O PODER DA ORAÇÃO (Dom Paulo Garcia)
Quantas vezes você já ouviu alguém dizer: "Tudo que posso fazer é orar".
Tudo o que posso fazer é orar? 
Você pode dizer para uma pessoa faminta: "tudo que posso fazer é oferecer--lhe comida!", ou para alguém doente: "Tudo que posso fazer é dar-lhe um remédio que o curará!", ou para uma criança pobre: "Tudo que posso fazer é comprar o brinquedo que você quer no seu aniversário!". você fez tudo!
A oração abre as portas do céu e libera o poder de Deus. Tg 4:2 diz: "Nada tendes, porque não pedis". E Jesus diz: "E tudo o que pedires na oração, crendo o recebereis" (Mt 21:22).
Muitos de nós queremos fazer um trabalho para Deus, mas poucos queremos gastar horas em oração a Deus. Orar é contra nossa inclinação natural; é precisamente por isso que a oração conta tanto para Deus. Orar não é natural, na verdade é sobrenatural, e sempre capta a atenção de Deus. 
Eu acho divertido algumas vezes quando as pessoas me dizem: "Deus respondeu minha oração". O que querem dizer é que Deus lhes deu o que estavam pedindo. Mas se Ele não tivesse atendido seu pedido, ele ainda assim teria respondido as suas orações. Esquecemo-nos de que "Não" ou "Espere" são também respostas, como o é o "Sim".
Os pais sempre procuram responder a cada pedido que seus filhos fazem. A resposta nem sempre é o que eles querem, mas certamente, é de acordo com o que os pais pensam seja o melhor para eles naquela ocasião. Deus age da mesma maneira para conosco com a exceção de que suas respostas sempre são certas e boas, enquanto que as nossas podem ser ou não. 
Lembre-se, quer a oração mude ou não nossas situações, uma coisa é certa: a oração nos transforma!

Dom Paulo Garcia é o Arcebispo e Primaz no Brasil e das Américas do Sul e Central, da Igreja Episcopal Carismática.