domingo, 2 de agosto de 2015

Congresso veta projeto sobre ‘ideologia de gênero’ de Jean Wyllys

Congresso veta projeto sobre ‘ideologia de gênero’ de Jean Wyllys
O projeto de lei 5002/2013, conhecido como “Lei de Identidade de Gênero”, foi vetado no Congresso. O texto foi criado pelos deputados Jean Wyllys (PSOL/RJ) e Erika Kokay (PT/DF), e possibilitaria o “direito” de que as pessoas fossem tratadas conforme o “gênero sexual escolhido” por elas.
A proposta apresentada atingiria até mesmo as crianças. Caso um menino desejasse ser tratado como menina, bastaria ir ao cartório com a documentação pessoal, e sem burocracia, mudar seu nome de Pedro para Maria, por exemplo, tendo por conseguinte os documentos modificados de acordo com a “opção de gênero” escolhida.
O PL 5002/2013 ainda previa a cirurgia de mudança de sexo desde a infância, alegando que a criança “pode reinvidicar sua escolha” no Departamento da Defensoria Pública mesmo sem consentimento dos pais. Para isso, psicólogos estariam a postos para auxiliarem na “autoafirmação da imagem” da criança e clínicas hospitalares facilitariam na mudança de hormônios através de medicamentos.
Mas a disseminação da chamada ideologia de gênero não é algo exclusivo do Brasil. Por todo o mundo, cada vez mais cresce a tendência de combate às figuras tradicionais do homem e da mulher. Exemplo disso é o depoimento de um casal que narra a “transição de gênero” de Jacob, seu filho de cinco anos de idade, e que já reúne mais de 11 milhões de visualizações na internet. A história de Mimi e Joe Lemay foi reunida em uma série de reportagens do programa ‘Nightly News’, do canal de notícias norte-americano NBC. Jacob na verdade é uma menina chamada Mia, porém ela não se identificava com as roupas femininas desde os dois anos de idade, e passou a se comportar como um menino, e desde então os seus pais passaram a “aceitar a escolha” da criança.
Em todos esses casos, vemos que o que está em jogo nao é o “direito à identidade de gênero”, mas a investida contra os padrões estabelecidos por Deus na própria natureza. Para isso, o movimento gay e seus aliados procuram derrubar todos os obstáculos presentes na sociedade, principalmente as leis que refletem e asseguram a constituição familiar como homem, mulher e seus filhos, cada um exercendo o papel correspondente ao seu gênero.
Escrito por: Jessica Tainan
Revisado por: Mariana Gouveia e Samuel Oliveira

Nenhum comentário: